28 julho 2014

Somos todos homofóbicos


Preconceito é algo que todos nós temos, sendo parte ou não da comunidade LGBT. Querendo ou não, estamos sempre julgando, pois faz parte de nossa natureza enquanto homens em sociedade, definir através de uma linha imaginária e variável, o certo e o errado, o bom e o ruim, e quem se enquadra nela.

Um fato interessante e intrigante e em contraponto deplorável, é a influência implacável e consentida que a sociedade heteronormativa exerce na denomida comunidade LGBT, a qual faço parte. Veja, esta que a tantos anos tenta de certa forma se separar da sociedade e lutar pelos nossos direitos – que é claro, acho digníssimo -, comungam em sua convivência, talvez pela forma como fomos criados ou burrice mesmo, hábitos em essência de uma sociedade heteronormativa, em que o macho-alfa que permeia o imaginário das mulheres e dos gays, é um ser alto, másculo, viril, com definição corporal invejável,dependendo do seu gosto, feições nórdicas e até alado a um cavalo branco.

 Não importa mais como somos: gordos, feios, bonitos, arrumados, jovens, velhos, brancos, africanos, asiáticos ou o que for, esse Macho-alfa, ou melhor, pra nós, gay-alfa, é a única opção de parceiro aceitável para felicidade, contanto que seja ativo, é claro. Pois por influencia dessa sociedade em que estamos inseridos, o ativo é o “homem”, é o macho, o que controla, o que impõe, que todos gays estão esperando, para que seja atingido um nirvana multi-orgásmico, após muito sexo – é claro, novamente.

E uma busca por esse Adônis perfeito, muitas vezes habitado apenas em filmes pornô, é iniciada através de festas e boates ou aplicativos, tais como o Grindr, Scruff, Bender. Uma busca infinita, já que esse modelo é raro, já pendendo a extinção, e quando achado, normamente danificado, não no corpo, mas no cérebro, seres sem o menor senso critico, cultura ou informação, que idolatram a beleza excessiva, com a mesma idolatria que lhes é idolatrado como um ser divino.

Dessa idolatria, germina o preconceito. Tudo que foge desse padrão é inaceitável do que aprendemos ser bom da sociedade heteronormativa. Portanto gays que são efeminados, sendo passivos ou não, são marginalizados quando se fala em ter um relacionamento firme, em que há a possibilidade concreta de ser apresentado formalmente à família, pois a lei é: quanto mais feminino você é, menos valor tem.

Voltando ao conceito primordial de que homofobia é a repulsa ou preconceito ao homossexual, nós gays também somos homofóbicos, principalmente quando falamos de forma pejorativa “a passiva”, caindo no pensamento primitivo e subconsciente de uma sociedade de raízes heteronormativas arcaicas, de que a mulher é inferior e ao fazer essa comparação, logo, o gay passivo é inferior.

Somos preconceituosos o tempo todo com nós mesmos, não nos dando a chance de nos abrir, nos conhecer, nos permitir, em não olhar pro lado e julgar menos a aparência, é claro que a aparência é o primeiro fator de atração, mas observar no outro as qualidades que ninguém quer ver, os hábitos, os costumes, os gestos e comportamento que nós faz únicos e multifacetados é importante para todas as relações.

Deveríamos nos unir e mostrar uma verdadeira comunhão pra além das baladas e noitadas, mas uma cumplicidade como seres humanos que somos – ou deveríamos ser. Parece clichê, mas fica aqui a máxima disseminada por Jesus, amai ao próximo, como a ti mesmo, afinal, esse Adônis provavelmente não irá aparecer tão cedo!

24 julho 2014

Playlist: Abraçando a bagunça que é sua vida

Enquanto eu pensava em uma playlist pra esse mês veio aquela óbvia ideia de fazer uma só dessas músicas de auto-ajuda "você consegue" que se espalharam nos últimos anos, na música pop principalmente. Mas o chato é que todo mundo conhece essas músicas, e tem suas favoritas. Todos os sites já montaram playlists delas. Nada de novo aí.

Decidi então fazer quase que o contrário: esse playlist tá cheia de música sobre como sua vida é uma merda e cheia de defeitos. Mas não é justamente as merdas que somos que nos definem? Então pronto, aproveite a liberdade de ser todo desajustado e peculiar e curta aí as músicas de um monte de gente bagunçada que nem você.




21 julho 2014

Nanotecnologia

En Taro Tassadar, caros leitores, vou falar de algo bem legal, nanotecnologia. Quem nunca viu num filme desses de ação um cara de extrema palosidade (isso existe?) em que a roupa sobe pelo corpo e muda conforme a necessidade? (Se não, parabéns, e força na sua vida de ermitão) essa visão bem viagem-na-maionese, mostra a teoria da nanotecnologia, manipular coisas bem pequenas como átomos e fazer coisas até então dignas de filmes de ficção cientifica dos anos 90.


A medicina é uma das áreas que mais poderiam tirar proveito disso criando artifícios, como manipulação do DNA para ser capaz de introduzir ou retirar cromossomos (nada de super soldados, pelo menos não ainda) para poder curar síndromes, como retirar o cromossomo 21 excessivo de um feto em estágios bem iniciais e poder evitar a síndrome de Down, ou pequenos monitoradores que ficariam em nossas corrente sanguínea e coletaria dados de um paciente, para que não houvesse a necessidade de ir ao médico (adeus fila do SUS), ou até mesmo conseguindo a tão sonhada, ou temida, imortalidade, com pequenos nano robôs que poderiam recuperar seu corpo da velhice (imagina poder dizer pra seu amigo “cara, agora sou imortal”, que emoção), mas vale apena dizer que tudo isso ainda está em fazes de estudos e de projetos.


A tecnologia de da informação, poderia ser feitos computadores que fariam seus cálculos a partir da pulsação de átomos, dentro do seu bolso, é como ter computadores melhores que a NASA no seu celular. Falando em NASA, foguetes menores cara, CARA, marte cara, talvez seria possível com nano tecnologia separar os átomos de CO2 em C-O2 e transformar marte em um lugar respirável, agora não vá pensado que semana que vem vai ter arranha céus lá, a tecnologia demanda tempo.


Nada é bom por natureza, nem mal, são os eventos que a fazem ser uma coisa ou outra, se não usarmos isso com responsabilidade, faríamos um estrago bem pior em nossas vidas, ogivas com pequenos monstrinhos que despedaçariam nosso DNA, são só uma das atrocidades que poderia acontecer. Esse tipo de tecnologia não deve ser temido, muito pelo contrário, devem ser estudadas e o povo deve tomar conhecimento de seus usos (ta ouvindo né, nada de destruir o mundo).

 Saindo um pouco do assunto, nesta semana dia 17/07 uma tragédia aconteceu, não foi só uma queda de avião qualquer (não que as outras não seja doloridas, longe de mim), mas com essa queda o mundo perde uma chance de salvação, 100 cientista e ativistas estariam neste avião, o que vinha junto com eles, a possível cura da AIDS, um dos maiores maus do mundo, Joep Lange um pesquisador holandês que passou metade da vida estudando o vírus (não é pouco não, são 30 anos) estava a caminho de uma conferência, conferencias essas que muitas vezes recorrem a nanotecnologia como possível solução, um sistema de defesa que o vírus não conseguiria penetrar (nem que ele queira ele vai contaminar um robô) e talvez as pesquisas de Joep Lange mostra-se possíveis fraquezas que poderiam ser exploradas por esses nanodroides, infelizmente, talvez um de vocês leitores seja o próximo a descobrir esse avanço, e honrar o trabalho de Joep Lange, que a força está com vocês, e com todos aqueles que morram no acidente.

19 julho 2014

Links de Sábado #5

I-cê-quê
Um dos pioneiros da comunicação por mensagens instantâneas, o ICQ foi relançado e agora para todas as plataformas: Android, iOS, Windows Phone, computadores, na web e até celulares Java. Em apenas uma semana, o app registou mais de 1 milhão de downloads e está querendo entrar na concorrência (entre tantos) do Whatsapp e Facebook.


Além de fazer o que a maioria faz (mensagens, fotos, vídeos, áudios e ligações), trouxe a possibilidade de mandar SMS de graça.
-Rodrigo

IPIX, YOUPIX, WEPIX
Nesse final de semana está acontecendo, lá em São Paulo, a edição anual do YouPix, que pra quem não conhece é apenas a reunião de muita gente da internet pra discutir muita coisa sobre internet. Tem gente de todas as plataformas, falando de todos os segmentos.

O evento é legal principalmente porque os assuntos discutidos são muito amplos: Em seus 9 palcos, teve/tem discussão desde sobre produção de conteúdo e como rentabilizá-lo, mas também tem discussão sobre zueiras, nostalgias e memes, ao mesmo tempo que tem também discussões sócio-políticas sobre o papel da internet e dos internautas, ao mesmo tempo que tem evento só pra quem é muito fã alguma coisa: série ou livros, por exemplo.

Se você quiser dá pra ver todas as discussões no Youtube, e, geralmente, valem muito a pena, já que abordam conteúdos da internet sob o ponto de vista de quem consome e produz internet. Já vou aproveitar o embalo e colocar aqui em baixo os meus favoritos desse ano:

-Vítor

LOGO
Aí que a Kelly Key decidiu publicar isso em seu perfil do Facebook:

Aí que a internet resolveu responder!




Ah, a internet... ♥. Pra ver mais é só visitar o Tumblr KellyKeyLogo.
-Vítor

APP DA SEMANA
O jogo dessa semana se chama Timberman e é um desses jogos simples de um instrução só e 8-bit, tipo Flappy Bird. A ideia é ajudar esse lenhador a cortar madeira sem morrer. Sim, aparentemente cortar madeira é muito perigoso. O jogo tem versão pra iOS e Android e é de graça.
-Vítor